17/05/2014 - TEMA: Melhoramento Genético

MELHORAMENTO GENÉTICO PARA RESISTÊNCIA À VERMINOSE EM OVINOS – PARTE 5


A RESULTADO DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA RESISTÊNCIA À VERMINOSE EM UMA CRIAÇÃO DE OVINOS


Concluindo a série de artigos sobre este assunto, nesta parte final serão apresentados os resultados obtidos no processo de seleção e descarte em um plantel de ovinos. Os dados são do Sítio Água Vermelha, de propriedade da Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo – COPERCANA, no município de Sertãozinho-SP. A propriedade possui uma criação de ovinos tendo como base a raça Santa Inês, atualmente também com algumas ovelhas mestiças com Dorper. À época desta avaliação, porém, o rebanho era totalmente da raça Santa Inês. Isto é exposto não para chamar a atenção para esta raça, mas para reforçar o que foi tratado na parte 3 deste artigo, em que o processo de seleção independe de raças específicas. Em todas elas são encontrados indivíduos resistentes/resilientes assim como indivíduos sensíveis à verminose.

Relembrando o que foi dito na parte 4 deste artigo, para que se seja possível avaliar corretamente os dados obtidos, transformá-los em informações sólidas e usar estas informações para selecionar os melhores animais, é necessária a ajuda de um bom sistema de gestão zootécnica. Todos os dados aqui apresentados foram trabalhados pelo software Pecuária Brasil Ovinos.

Nesta propriedade todos os animais foram avaliados pelo método Famacha a cada 30 dias, tendo os resultados anotados e posteriormente lançados no software. A cada 6 meses foi realizado um processo de seleção de animais para descarte. Entre os critérios de seleção os de maiores peso foram: ganho de peso dos cordeiros, habilidade materna, taxa de prolificidade e resistência à verminose, esta última com base no método Famacha. A ferramenta Dossiê de Matrizes do software Pecuária Brasil Ovinos foi utilizada para identificar os animais de descarte. Veja os resultados:

As tabelas 1 e 2 mostram que a incidência de animais “famacha positivo” foi maior nas categorias adultas, principalmente nas ovelhas paridas. Em animais jovens e mesmo em machos adultos esta incidência foi bem pequena ou nula. Diversos fatores influenciam neste resultado, entre eles: o sistema de produção, baseado em pastagens para os animais adultos e em confinamento ou semi-confinamento para os animais jovens; além do fato de que ovelhas paridas são mais susceptíveis à infestação por verminose por estarem passando por uma fase de imunodepressão.


Tabela 1: Frequência de animais (fêmeas) positivos para verminose, avaliados pelo método Famacha entre os anos de 2006 e 2010.

ovinos positivos para verminose pelo método famacha

FM – Fêmeas Mamando; FJ1 – Fêmeas Jovens até 6 meses de idade; FJ2 – Fêmeas Jovens de 6 a 12 meses de idade; FAS – Ovelhas Solteiras; FAP – Ovelhas Paridas

Tabela 2: Frequência de animais (machos) positivos para verminose, avaliados pelo método Famacha entre os anos de 2006 e 2010.

ovinos positivos para verminose pelo método famacha

MM – Machos Mamando; MJ1 – Machos Jovens até 6 meses de idade; MJ2 – Machos Jovens de 6 a 12 meses de idade; MA – Machos adultos

Portanto, voltando o foco para as ovelhas adultas, onde está o maior problema, nos gráficos abaixo é possível verificar a evolução do rebanho no processo de melhoramento genético utilizando como um dos critérios a resistência à verminose. Entre os anos de 2006 e 2010, a incidência de "famachas positivos" reduziu de 25,13% para 3,49% nas ovelhas solteiras, e de 57,14% para 6,27% nas ovelhas paridas. Estes dados mostram a eficácia deste processo de seleção na redução da incidência de verminose no rebanho. Veja esta evolução nos gráficos abaixo:


Gráfico 1: Incidência de resultados positivos entre os anos 2006 e 2010 em ovelhas solterias

gráfico famacha ovelhas solteiras

Gráfico 2: Incidência de resultados positivos entre os anos 2006 e 2010 em ovelhas paridas

gráfico famacha ovelhas paridas

Nas figuras abaixo são mostrados os dados das avaliações do ano de 2006, em ovelhas adultas, paridas e solteiras. É possível verificar que há ovelhas que em nenhuma das 10 avaliações apresentaram um resultado positivo, enquanto outras se apresentaram positivas em 80% das vezes. Estes dados corroboram a existência de animais resistentes/resilientes nos rebanhos ovinos e, também, que o problema da verminose está relacionado à presença de animais sensíveis nos plantéis, o que perpetua o problema.


Figura 1: Incidência de resultados "Famacha Positivo" em ovelhas durante o ano 2006.

ovelhas resistentes e resilientes à verminose - método famacha

Figura 2: Incidência de resultados "Famacha Positivo" em ovelhas durante o ano 2006.

ovelhas resistentes e resilientes à verminose - método famacha

A simples ação de eliminar a genética não desejada de forma sistemática e contínua, e preservar a genética que proporciona a resistência à verminose, resolve a questão no médio prazo. Esta é a forma mais prática de se promover o melhoramento do plantel, ou seja, o descarte de animais indesejados. É um método muito barato e ao alcance de qualquer ovinocultor.

Alcançar a lucratividade na criação de ovinos não é tarefa fácil. É necessário um excelente sistema administrativo, com um bom embasamento técnico, financeiro e comercial, além da construção de uma infraestrutura eficiente. Mas tudo isso depende de um rebanho que responda a todo este aparato. Sem o melhoramento genético não se alcança o resultado esperado. E como ficou claro neste artigo, a resistência à verminose é um dos aspectos que, sem dúvida, devem fazer parte de um programa de melhoramento genético em uma criação de ovinos.


Leia mais artigos em nossa página de conteúdo técnico em pecuária

Aproveite para conhecer melhor o software Pecuária Brasil Ovinos, uma excelente ferramenta para ajudá-lo a gerenciar melhor o seu rebanho.

Palavras chave: melhoramento genético, ovinos, resistência, verminose, pecuária, rebanho, raças, método FAMACHA, OPG.


Deixe seu comentário, é importante para nós. Sua experiência enriquece nosso trabalho, e contribuirá com todos que lerem este artigo depois de você.