22/03/2014 - TEMA: Melhoramento Genético em Ovinos

MELHORAMENTO GENÉTICO PARA RESISTÊNCIA À VERMINOSE EM OVINOS – PARTE 2


RAÇAS DE OVINOS RESISTENTES X RESISTÊNCIA INDIVIDUAL


Muito se discute sobre a superioridade de algumas raças de ovinos em relação a outras, colocando a resistência à verminose como um dos critérios que definem esta superioridade. Em especial para as condições climáticas da região dos trópicos, onde se encontra o território brasileiro, a rusticidade é bastante valorizada. Por rusticidade entende-se, entre outras características, a resistência a várias doenças e, entre elas, a verminose.

Segundo Veríssimo et. al (2008), no passado a seleção genética das raças de ovinos para a resistência à verminose aconteceu de forma natural, resultando da exposição aos parasitas. O processo também foi influenciado pela ação do homem mas, de qualquer forma, sempre foi influenciada pelas condições de cada região. Por isso, entre as características que influenciaram no processo de seleção das raças está a prevalência das espécies de nematóideos em cada região, e o sistema de criação utilizado, expondo rebanhos a níveis variados de desafio. A prevalência de diferentes espécies de nematóides varia em função da região e de suas condições climáticas. Por exemplo, na Europa o principal nematóideo parasita de ovinos é a Ostertagaia circumcicta (Bishop et al., 1996; Gruner et al., 1992), ao passo que no Brasil predomina o Haemonchus contortus (Amarante et al.; 2004). Portanto, animais de raça européia criados no Brasil sofrem com a infestação por Haemoncus. Além disso, algumas regiões ou países selecionaram seus animais em criações intensivas, confinados, com o uso intensivo de anti-helmínticos, não expondo os animais a uma alta infestação de verminose, não fazendo da resistência à infecção por nematóideos uma característica tão importante para a seleção e melhoramento genético.

Por este motivo, é de se esperar que exista realmente diferenças no grau de resistência à verminose entre as diversas raças de ovinos. A Tabela 1 compila o resultado encontrado por vários pesquisadores. Mas é importante lembrar que esta característica foi incorporada aos representantes de cada raça pelo processo de seleção que eles passaram em sua formação. Ou seja, um animal não é resistente simplesmente por que ele é de uma determinada raça. Os genes que conferem esta caracterísitca a ele não são intrínsecos ou exclusivos ao grupo racial ao qual ele pertence. O que acontece é que a maioria dos indivíduos daquela raça possuem aqueles genes específicos em seu DNA, por que eles passaram por um processo de seleção para isso.

Raças de ovinos resistentes e sensíveis à verminose

A partir deste conhecimento pode-se inferir que essa característica pode ser selecionada em qualquer raça, a partir de um trabalho direcionado para isso. A variação individual, dentro de uma mesma raça, é mais expressiva que a variação entre raças. Em rebanhos de qualquer raça são encontrados indivíduos resistentes e sensíveis. Como visto na parte 1 deste artigo, a herdabilidade para esta característica é alta, o que viabiliza a implantação de um processo de seleção para esta caracterísitca em qualquer rebanho, não justificando a escolha de uma ou outra raça para criar em função da resistência à verminose.

Nas próximas partes deste artigo são abordados mais detalhes sobre como identificar os animais resistentes, resilientes e sensíveis, além de algumas considerações sobre o processo de seleção. Siga para a parte 3.


Leia mais artigos em nossa página de conteúdo técnico em pecuária

Aproveite para conhecer melhor o software Pecuária Brasil Ovinos, uma excelente ferramenta para ajudá-lo a gerenciar melhor o seu rebanho.

Palavras chave: melhoramento genético, ovinos, resistência, verminose, pecuária, rebanho, método FAMACHA, OPG.


Deixe seu comentário, é importante para nós. Sua experiência enriquece nosso trabalho, e contribuirá com todos que lerem este artigo depois de você.