15/10/2016 - TEMA: Desempenho Reprodutivo na Bovinocultura e Ovinocultura

INTERVALO ENTRE PARTOS NA PECUÁRIA


Em um sistema de produção de cria na pecuária, é uma afirmação óbvia que o número de partos ocorridos por ano está diretamente relacionado à rentabilidade do negócio. Logicamente, quanto maior o número de partos, maior o número de bezerros ou borregos que estarão disponíveis para a venda ou incorporação ao rebanho no futuro. Para vacas leiteiras, também é a partir do parto que se inicia uma nova lactação. Uma das principais missões do técnico e de toda a equipe que trabalha com o rebanho é trabalhar para a obtenção do maior número possível de partos dentro do rebanho, numa busca constante da sua eficiência reprodutiva.

Ordenha rebanho gado de leite

A eficiência reprodutiva é, sem sombra de dúvidas, um dos aspectos de maior importância na pecuária. Juntamente com a sanidade, genética, ganho de peso, alimentação, manejo e administração, ela compõe a base da produção de bezerros, borregos, leite ou qualquer outro produto da atividade. Mas quando se avalia os índices zootécnicos do rebanho, é nos reprodutivos que se enxerga o maior impacto.

Dentro dos índices reprodutivos, o Intervalo entre Partos (IEP) é o que mais representa o desempenho neste campo. O IEP resume o quanto as matrizes (vacas ou ovelhas) de um plantel estão sendo eficientes na reprodução. Quanto menor o intervalo, maior a eficiência, mais produtivos estes animais estão sendo, a sua vida útil está sendo mais bem aproveitada, mais renda estão gerando para o negócio. Na bovinocultura, regra básica é que se busque um intervalo entre partos de 12 meses, ou seja, um parto e um bezerro por ano. Quando se trata de vacas leiteiras, conta-se também uma lactação por ano. Para ovinocultura, é um tema ainda em discussão. Há quem prefira um sistema mais “folgado”, com um parto por ano, principalmente quem trabalha com raças sazonais. E há os que buscam maximizar a eficiência, com um parto a cada 8 meses, com o objetivo de obter o máximo de borregos por ano. Particularmente, apoio a meta de um IEP de 8 meses na ovinocultura.

Vamos fazer uma conta bem simplista para demonstrar o impacto do intervalo entre partos no faturamento da pecuária. Vamos avaliar um rebanho de vacas leiteiras. Com base no mesmo raciocínio fica fácil de extrapolar para ovinos e gado de corte. Para os cálculos os seguintes parâmetros serão assumidos:

- produção por lactação: 6.000 litros
- período de lactação: 305 dias
- total de vacas leiteiras: 100 cabeças
- Intervalo entre Partos do rebanho 1: 15 meses
- Intervalo entre partos do rebanho 2: 12 meses

Avaliando um período de 5 anos, ou seja 60 meses, no REBANHO 1 cada vaca teria 4 partos em média, pois 60 meses dividido por 15 meses de IEP é igual a 4. Portanto as 100 vacas dariam 400 bezerros e 400 lactações.

No mesmo período, cada vaca do REBANHO 2 apresentaria 5 partos em média, portanto 500 bezerros e 500 lactações. Veja o quadro abaixo que sintetiza estas contas e coloca os valores nos produtos.

DIMENSIONAMENTO E ÍNDICES
REBANHO 1 REBANHO 2 DIFERENÇA
TOTAL DE VACAS 100 100
IEP - Meses 15 12
PRODUÇÃO POR LACTAÇÃO - Litros 6.000 6.000
PERÍODO AVALIADO - Meses 60 60
NÚMERO DE PARTOS POR VACA 4 5 1
NÚMERO DE PARTOS TOTAL 400 500 100

 

FATURAMENTO COM VENDA DE LEITE
REBANHO 1 REBANHO 2 DIFERENÇA
NÚMERO DE LACTAÇÕES 400 500 100
LEITE PRODUZIDO NOS 5 ANOS - Litros 2.400.000 3.000.000 600.000
LEITE PRODUZIDO POR ANO - Litros 480.000 600.000 120.000
PREÇO DE VENDA DO LEITE R$ 1,50 R$ 1,50
FATURAMENTO ANUAL COM VENDA DE LEITE R$ 720.000,00 R$ 900.000,00 R$ 180.000

 

FATURAMENTO COM VENDA DE ANIMAIS
REBANHO 1 REBANHO 2 DIFERENÇA
NÚMERO DE BEZERRAS 200 250 50
VALOR DE VENDA DAS BEZERRAS R$ 1.000 R$ 1.000
FATURAMENTO TOTAL 5 ANOS R$ 200.000 R$ 250.000 R$ 50.000
FATURAMENTO ANUAL R$ 40.000 R$ 50.000 R$ 10.000

* Foi considerado um valor de R$ 1.000,00 por bezerra, somente para fêmeas, não considerando valor comercial para os machos.

O faturamento do REBANHO 2 com a venda de leite foi maior em R$ 190.000,00 por ano (venda de leite + venda de bezerras), o que representa uma diferença acima de 25% de faturamento em comparação com o REBANHO 1, somente em função do aumento do desempenho reprodutivo, reduzindo o intervalo entre partos. Muitos criadores não se deram conta do que deixam de ganhar simplesmente por não estarem atentos a esta informação do rebanho. A perda é muito grande.

Para a criação de gado de corte e de ovinos o raciocínio é o mesmo, quanto menor o intervalo entre partos, maior o numero de bezerros e de cordeiros nascidos e disponibilizados para a venda ou incorporação no rebanho como matrizes e reprodutores.

Porém, somente a avaliação do intervalo entre partos do rebanho não dá uma visão completa de toda a situação. Se o IEP estiver bom, ótimo. Mas e se não estiver, o que está acontecendo? Em qual etapa do processo está a ineficiência? Na ocorrência de cios? As vacas e ovelhas estão entrando em cio? Há matrizes em anestro (ausência de cio)? No caso de uso inseminação artificial, os cios estão sendo detectados com eficiência? O processo de cobertura ou inseminação está sendo eficaz? Os reprodutores estão aptos, com boa qualidade de sêmen? Os inseminadores estão bem treinados? Após a concepção, as matrizes estão mantendo a gestação até o final ou há problemas causadores de perdas gestacionais, sejam elas de origem infecciosas, nutricionais, entre outras? Enfim, são muitos os pontos de vulnerabilidade do processo, e somente a avaliação do IEP não dá pistas sobre eles. Este índice somente mostra o resultado final, o somatório final de todas as variáveis existentes. Outro detalhe é que só se pode avaliar o intervalo entre partos de vacas ou ovelhas que tenham 2 ou mais partos. O IEP não contempla matrizes de primeira cria ou que ainda não apresentaram nenhum parto. Por fim, esta avaliação é tardia, quando se fecha o cálculo do índice o período em que se podia interferir no resultado já se passou, já aconteceu, não se pode fazer mais nada, só resta festejar ou lamentar.

Concluindo e colocando cada coisa em seu devido lugar, o IEP é o objetivo final, deve-se trabalhar para obter o menor intervalo entre partos possível, biológica e economicamente viável. Mas para alcançar o objetivo deve-se lançar mão de outros indicadores, mais específicos e mais “on time”, a tempo de executar uma ação corretiva. Afinal, índices zootécnicos têm que ter uma aplicação prática, que transforme a realidade, não servem apenas para serem um número bonito a se mostrar.

Na sequência deste artigo aprofundaremos mais esta discussão, apresentando outros índices e artifícios disponíveis e sua aplicabilidade no trabalho de acompanhamento reprodutivo do rebanho.


Leia mais artigos em nossa página de conteúdo técnico em pecuária

Conheca melhor nossos softwares para gerenciamento na percuária, excelentes ferramentas para ajudá-lo a administrar seu rebanho.

Palavras chave: intervalo entre partos, mais bezerros, mais borregos, bovinocultura, ovinocultura, vacas leiteiras, gado de corte, gado de leite, ovinos.


Deixe seu comentário, é importante para nós. Sua experiência enriquece nosso trabalho, e contribuirá com todos que lerem este artigo depois de você.